Universo de Memórias

sexta-feira, 5 de junho de 2015

Entrevista para Revista Portal Plena

“Chega um momento em que você se pergunta: ‘quem sou eu?’”. Veja a entrevista de Marília Becher Bahr, que cuidou da mãe com Alzheimer por mais de 20 anos"
Dona da página Vida de Cuidador Familiar, Marília fala sobre a aceitação do diagnóstico, as fases mais críticas da doença e as angústias e preocupações que acompanham os cuidadores: http://migre.me/q8lUP

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Aplicativo para os Portadores



20/5/2015 às 10h16 (Atualizado em 20/5/2015 às 10h20)

Aplicativo ajuda portadores de Alzheimer a reconhecer pessoas e 

lembrar seus nomes

Sistema rastreia rosto de conhecidos e informa grau de parentesco




















Para aumentar a qualidade de vida dos portadores de Alzheimer, 
um aplicativo foi lançado com a promessa de ajudar os pacientes 
a reconhecer pessoas próximas a eles.
O Memory Recaller, da Samsung, usa a câmera do smartphone para 
identificar a pessoa em frente ao usuário, através da tecnologia de 
reconhecimento facial. 
Em seguida, ele avisa ao paciente qual o grau de parentesco dele 
com ela, e informa seu nome.
O sistema de funcionamento é muito simples. Para usar a ferramenta, 
basta conectar o fone de ouvido ao telefone, e manter o aparelho em 
um bolso frontal da camisa deixando a câmera livre para filmagens.

quarta-feira, 13 de maio de 2015

Vidas dos envolvidos

Lidar com uma nova realidade é sempre difícil, principalmente quando se refere a um diagnóstico de Alzheimer. Esta é uma das razões que podem fazer com que alguns pacientes e cuidadores manifestem sintomas de depressão. 
A tristeza constante, o negativismo, o pessimismo e a desesperança podem aumentar.

De acordo com os profissionais de saúde, incentivar o enfrentamento das dificuldades, estimular pensamentos positivos e especialmente oferecer apoio emocional no escopo de transmitir tranquilidade, principalmente nos momentos de angústia e irritação torna-se indispensável.

-Auxiliar no controle do uso de medicações 

-Ajudar na orientação temporal utilizando calendário 
-Auxiliar nas atividades diárias criando rotinas, são algumas maneiras de atenuar a situação                         -Procurar um grupo de apoio e acompanhamento psicoterapêutico também podem ajudar no processo de acompanhamento de ambos

Outra dica bastante recomendada é ler sobre o assunto e receber orientação de profissionais. 

A doença exige paciência, dedicação e compreensão. 
São sintomas que afetam toda nossa família, consomem todas nossas energias porque mexem com o emocional! 

A solidariedade, o apoio e a compreensão não podem faltar nos cuidados com o portador e os laços familiares precisam de fortalecimento para que aquele que cuida se sinta protegido. 

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

O Ato de Cuidar

ALERTA!
O ato de cuidar vai exigir do cuidador um envolvimento intenso e uma parcela significativa de seu tempo, por um período indeterminado. 
Também são necessárias tomadas de decisões que atingem diretamente o idoso. 
Devido a essa sobrecarga de trabalho, o cuidado ao idoso pode se tornar ineficaz, pois o cuidador, atribuído de serviços, prestará assistência necessária somente aos cuidados básicos, esquecendo que este portador necessita também de cuidados baseados na patologia que ajudem a minimizar os efeitos danosos desta. 
É de extrema importância a necessidade de uma orientação específica para o cuidador, a fim de que sejam mais facilmente encontradas alternativas que visem à solução ou a diminuição de efeitos danosos advindos com a doença, que a assistência prestada seja de maior eficácia ao tratamento e que ele possa, dessa forma, estar apto para saber como proceder nas situações mais difíceis encontradas no dia a dia. 
Na última fase, o estágio final (fase terminal), o portador perde toda a sua capacidade mental e física, dificilmente reconhece rostos e fica mudo. 
É nesse período que o doente de Alzheimer necessitará de constante dedicação, compreensão e supervisão integral do cuidador.
Neste momento, o cuidador deve ter total disponibilidade e atenção ao doente, pois este já se encontra em situação extremamente debilitado. 
Ocorre também um maior envolvimento emocional do cuidador em relação ao idoso, pois já é sabido que a partir dessa fase não há mais expectativa de vida. 
A partir dos dados coletados em conversas com leigos no assunto foi observado que, para muitos, o esquecimento é visto como uma fase característica do processo de envelhecimento, o que faz com que o Alzheimer seja negligenciado, pois não é encarado como uma doença. 
Notou-se também que há um alto percentual de cuidadores do sexo feminino, sendo geralmente as esposas, filhas, netas ou noras; e, por fim, foi constatada o cansaço descomunal nessa assistência.
Conclui-se que é de extrema necessidade realizar uma reflexão sobre tal situação, a fim de buscar soluções simples e cabíveis para a resolução do problema. 
Como proposta, acredita-se que é de suma importância a realização de um apoio prático a esses cuidadores, buscando dessa maneira, trazer-lhes um maior grau de conhecimento sobre a patologia e as necessidades básicas do idoso. 
Essa história de viver o momento é ótima!
Traz um positivismo, uma ilusão de que poucas mudanças virão.
Isso não implica em terrorismo da minha parte, porém preparem níveis de ajuda para com o familiar.
Cuidar sozinho(falo em cuidar bem)é uma carga explosiva!

Procurem o exercício mental, físico, espiritual.
Não sintam vergonha de pedir auxílio a vizinhos(quando inexistem parentes), amigos ou, se possível, contratar alguém nas horas onde puderem pagar e se sintam mais sobrecarregados.

Os Cuidadores Familiares necessitam de RESPIROS e conexão com o mundo lá fora.
Boas Energias!

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Gaúchos criam um projeto para lançamento em Dezembro de 2014

Estudantes gaúchos criam aplicativo que ajuda a diagnosticar Alzheimer


Projeto ainda está em fase de testes no Instituto do Cérebro, na PUCRS.
Aplicativo ajuda a rotina, lembrar de sons e formas, entre outras funções.



Do G1 RS

Estudantes gaúchos desenvolveram um aplicativo que poderá ser baixado em tablets para ajudar idosos a prevenirem doenças como o Mal de Alzheimer. O projeto ainda está em fase de testes, mas pretende dar esperança ao público mais suscetível a problemas mentais em função da idade avançada. O produto auxilia a organizar a rotina, lembrar de sons e formas, entre outras funções essenciais a quem está perdendo a memória.
A ideia partiu de um estudante de ciência da computação da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), cujo avô morreu há três anos. “A ideia surgiu do meu avô, que teve Alzheimer. Então a gente pensou que um aplicativo que te desse um indicativo de doença pudesse ajudar a dizer qual a hora certa de procurar um médico”, diz Lucas Bertram. “Ele teve alguns sinais e a gente não sabia”, lamenta, se referindo ao avô.
Aplicativo deve estar disponível para download em dezembro (Foto: Reprodução/RBS TV) 
Aplicativo deve estar disponível para download em
dezembro deste ano (Foto: Reprodução/RBS TV)
Os testes estão sendo realizados no Instituto do Cérebro da PUCRS. A previsão é de que até dezembro o aplicativo esteja disponível para download. “O mais importante é que ele pode ser usado tanto por profissionais da saúde como pelo próprio idoso ou cuidador. A finalidade também é dizer para o idoso que está preocupado que ele não tem nada, porque há uma preocupação ele achar que está desenvolvendo uma demência”, afirma a neuropsicóloga Mirna Portuguez.
“Isto vai fazer com que ele fique alerta de procurar um médico e ver o que está acontecendo porque a gente sabe que existem algumas perdas que são normais para a idade, mas se essas perdas estão mais acentuadas elas devem ser investigadas”, ressalta Sabine Marroni, também neuropsocóloga.
Aos 79 anos, a professora aposentada Loyde Fagundes é uma das primeiras a participar dos testes. No tablet, ela consegue organizar sua rotina. “Tomar café da manhã, lanche, uma fruta”, diz. Em outro teste oferecido, ela relembra alguns sons característicos. “É o som do barulho de um navio”, aposta. “Se cada um pudesse fazer o teste e avaliar em que ponto está eu acho maravilhoso”, opina.
“É muito gratificante saber que a gente pode ajudar outras famílias que podem vir a sofrer com essa doença”, completa a estudante Ingrid Panisi Rodrigues, colaboradora do projeto.